Para resolver seus “problemas”, concentre-se nas soluções.

Antes de mais, quero explicar o motivo pelo qual escrevi a palavra problemas entre aspas. A razão é simples : detesto essa palavra e a irradiei de meu vocabulário há muito tempo. Porque ? Simplesmente pelo fato de que “problemas” existem todos os dias, à qualquer momento, e todos nós nos deparamos com eles à todo instante. Por isso, cheguei à conclusâo que finalmente o que eu nomeava de “problemas” são puramente experiências pelas quais devo passar, simples obstáculos que devo enfrentar e ultrapassar. Espero que minha explicação convenceu.

Por isso, na minha modesta opinião, a resolução mais simples para melhorarmos uma situação por mais complicada que seja, é concentrarmo-nos na solução, e não no “problema”.

Pense bem, nossa natureza, movida pelo desejo da simplicidade, tenta convencer-nos do contrário, isto é, falar do “problema”, o que tende a agravar a situação.

Frequentemente, à força de nos concentrarmos sobre o “problema”, não vemos outra coisa à não ser ele mesmo, o que nos impede de enxergar a solução. O que resulta em um agravamento da situação, em vez de seu melhoramento.

E isso tranforma-se em uma grande dificuldade, pois a maior parte das pessoas agem dessa maneira.

Um exemplo de pensamentos recorrentes de muita gente perante uma dificuldade relacionada, por exemplo, com questões financeiras é :

  • Tenho um grande problema de dinheiro;
  • Não consigo desembaraçar-me desta situação difícil;
  • O que irá ainda acontecer-me ?;
  • Não vejo solução para o meu caso;
  • Não vou conseguir livrar-me disto; etc…

Nesse caso, em vez de nos concentrarmos na solução, continuamos a alimentar o “problema”. E a situação vira um círculo vicioso, pois inevitavelmente continuaremos atraindo as dificuldades em vez de nos livramos delas. E dessa maneira, entramos em uma espiral negativa de onde será muito difícil sair, por que situações como essas repetem-se inúmeras vezes nas vidas de todos nós.

Um segundo exemplo (para não discriminar o género feminino), tem à ver com a pessoa que procura a tal alma dita gêmea, e pensa ou comenta :

  • A última vez, foi enganada por um grande patife;
  • Não sei porque sinto-me tão tímida durante nossos encontros;
  • Porque não consigo desinibir-me quando estou perante um homem que me atrai ?;
  • Sinto complexo físico em relação às minhas amigas;
  • Será que ele achar-me-á atraente ?;
  • O que ele irá pensar de mim ?; Etc., etc…

Como é que pessoas que pensam desse modo poderão atrair outras com os perfis desejados, se continuam alimentando os próprios pensamentos que atraem as circunstâncias que não desejam ?

E, como gosto muito de mencionar exemplos, cito um outro que, muito infelizmente, acontece com grande constância nos dias atuais : o de uma pessoa que perdeu seu posto de trabalho por diversos motivos :

  • Desde que estou desempregado(a), nada de bom me acontece;
  • Ninguém me telefona, apesar de meus apelos para um posto de trabalho;
  • Sinto-me completamente desesperado(a);
  • Será que não conseguirei mais encontrar trabalho ?;
  • Em minha opinião, vai ser muito difícil eu superar esta situação; Etc…

E assim, perde-se autoconfiança, a autoestima, e em consequência desses tipos de raciocínios, tornamos ainda mais rara a probabilidade de erguermo-nos novamente e seguirmos em frente, confiantes que tudo tem pelo menos uma boa solução.

E, portanto, ninguém nos empurra em uma certa direção. São meramente os nossos próprios pensamento e atos que nos levam na direção que decidimos seguir.

Por isso, para resolvermos nossos “problemas”, devemos então focar nossa atenção e orientar nossa energia em direção da solução que desejamos.

Clique aqui para saber como encontrar a sua solução.

Para ilustrar minha afirmação, dou mais um exemplo, o de duas pessoas que conheço. Dois jovens adultos, que sem diplômas ou cetificados profissionais, econtraram-se em situação de desempregados ao mesmo tempo. Algum tempo depois, sem terem ainda encontrado um posto de trabalho, a situação evoluiu da seguinte maneira :

Um deles baixou os braços, e começou a adoptar um comportamento negativo, a espera que fosse os outros a contata-lo para lhe proporem um emprego ou um estágio. Em consequência disso, nada acontecia e ele continuava a espera que uma oportunidade viesse ao seu encontro.

O outro continuou acreditando no que pretendia alcançar, e colocou-se em ação, tomando todas as iniciativas pessoais  adequadas em vias de conseguir provocar a situação desejada. Na sua opinião, estava fora de questão que baixasse os braços e continuasse na situação em que encontrava-se.

Então, ele decidiu formar-se, continuar procurando regularmente um novo posto de trabalho, contatar sua rede de conhecimentos sociais, amigos, sempre a procura de saber se alguém tinha ouvido falar de alguma oportunidade que lhe conviesse, mesmo que tivesse de mudar de local de domicílio, etc. Enfim, esta pessoa fazia sempre tudo que estava ao seu alcance para poder sair da situação difícil em que se encontrava.

Finalmente, um dia conseguiu ser admitido para um posto de trabalho à tempo parcial. Já era melhor do que nada. Passado algum tempo, devido à sua procura constante por uma atividade profissional à tempo inteiro e ilimitado, finalmente conseguiu um contrato que lhe convinha perfeitamente. Enquanto isso, a primeira pessoa continuava sem esperança alguma de conseguir algo, pois seu espírito de iniciativa permanecia negativo, inativo.

É lógico que nem sequer preciso perguntar o que fez a diferença entre estas duas pessoas, no que diz respeito às suas situações pessoais. A resposta é clara :

A primeira permaneceu bloqueada em seu “problema”, sem procurar a solução. Ela renunciou a tomar a responsabilidade de sua situação, resignou-se, a espera que os outros resolvessem a sua situação complicada, e continuava atraindo em sua vida aquilo em que mais pensava.

A segunda focalizou-se sobre a solução, sem fornecer energia ao “problema”. Ela entrou em ação, tomando as medidas necessárias, permaneceu proativa, não deixou-se resignar, tomou a responsabilidade de seu destino, não desistiu até conseguir o que almejava.

Isso chama-se : o poder da focalização !

Quando falo em focar a solução, sugiro que nos concentremos na solução certa, a que nos permite melhorar a nossa situação geral. E temos sempre de manter o foco para conseguirmos ir até a conclusão de nossos projetos, de nossos objetivos.

Pois, a dificuldade que encontramos perante os obstáculos tem à ver com :

  • O abandono;
  • A resignação;
  • A focalização sobre o “problema”;
  • O medo, o receio de não conseguirmos encontrar a solução que pretendemos; Etc.

A maior parte das pessoas entram em pânico nos momentos em que suas vidas parecem desmoronar. E, claro, é bem mais fácil projetar a culpa sobre outros, sobre as situações, as circunstâncias, do que assumir-se a inteira responsabilidade perante os obstáculos e seguir em frente.

E a dificuldade da maior parte das pessoas é que quanto mais deixam-se afundar, mais elas se concentram sobre os “problemas” em vez de focalizarem-se nas soluções.

Manter o foco significa permanecer concentrado à 100% no objetivo, na solução.

A focalização, usada de forma inadequada, pode causar a constância da concentração à 100% sobre a dificuldade. E é aí que se encontra a armadilha. Por que é muito mais fácil mantermos o foco sobre as questões que irão tornar a situação pior do que estavam antes, pois isso requer pouco esforço de nossa parte.

Por isso, não devemos esquecer que para enfrentarmos e vencermos os obstáculos que vão surgindo ao longo de nossas vidas, devemos nos concentrar e manter o foco sobre a solução desejada, sobre o objetivo que queremos alcançar. E, sugiro que como eu, retiremos a palavra “problema” de nossos vocabulários e a substituamos por outra muito mais positiva e agradável de se ouvir : Solução !

E a solução para o seu problema está em clicar no link abaixo.

A minha solução

Compartilhe em sua rede social
Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter